Origem do Abarca

Esta nobilíssima linhagem tem origem em Aragão, e provém de D. Sancho Abarca, que foi o primeiro Monarca a ser chamado Rei de Aragão.


As crônicas dizem que um senhor da linhagem de Guevara encontrou morto pelos mouros o rei de Navarra, Don García Iñíguez, e sua esposa, a rainha Dona Urraca Jimenes, filha do conde de Aragón. Ela estava grávida e muito perto de dar à luz, e uma mãozinha da criança que ela carregava em seu ventre estava saindo por uma ferida em sua barriga. O referido cavaleiro salvou o infante, deu-lhe o nome de Sancho e manteve-o escondido na serra até ser proclamado rei. E como o ilustre menino calçava um tosco sapato chamado abarca, chamaram-lhe Sancho Abarca.


Isso é confirmado por Zurita em seus "Anais da Coroa de Aragão", dizendo:


"Alguns anos depois da morte do Rei García Iñíguez, sem saber que ele deixara um filho, os Estados do reino se reuniram para eleger Rei; e então aquele senhor, que tomou o Infante em suas mãos da maneira que foi como disse, levou-o consigo em hábito pastoril, com sandálias para o uso da serra, e deu-lhes razão de ser seu senhor natural; e foi aceito pelo Rei e foi chamado Sancho Abarca; no da mesma forma que em outros tempos o nome permaneceu, por certos trajes de calçados e vestimentas de Caio César, que sucedeu o imperador Tibério, que se chamava Calígula, e Marco Antonio, filho do imperador Severo, que se chamava Caracala. E eles escrevem que o senhor que o cobriu quando criança e o criou, era da linhagem de Guevara, por isso o chamavam de Ladrón".


Isso também é confirmado por outros historiadores antigos famosos.


Há, porém, cronistas que dizem que o cavaleiro que salvou e protegeu o rei D. Sancho não era da linhagem de Guevara, mas da linhagem de Abarca, e que o rei D. Sancho tirou o sobrenome de seu protetor de gratidão.


Há outros autores que também afirmam que o cavaleiro protector do referido rei aragonês não era da linhagem de Guevara; mas estes não dizem, como os anteriores, que veio de Abarca, mas de Vidal, para o que se chamava Sancho Vidal. Acrescentam que, quando Sancho Abarca foi proclamado rei, autorizou seu salvador, em sinal de gratidão e afeto, a acrescentar Abarca ao seu sobrenome, concedendo a si e a seus descendentes armas próprias, e que ele era então, e não antes , quando o referido senhor passou a usar o sobrenome de Abarca, chamando-se Sancho Vidal Abarca.


Estes mesmos cronistas, como prova de que o salvador do rei D. Sancho não era da linhagem dos Guevara, mas de Vidal, e que acrescentou Abarca a este sobrenome, por especial concessão do referido Rei, afirmam que há notícias de um Vidal Abarca, neto do mencionado acima, que viveu por volta de 1100, e que dele descendeu Lorenzo Vidal Abarca, que com sua esposa Bartolomea Moyr fundou, quando já era muito velho, uma capela com enterro, dedicada a São Lourenço, na igreja matriz de Calamite no ano de 1373, e que, segundo a referida fundação, teria nascido no ano de 1260 o referido Lorenzo Vidal y Abarca, que deixou descendentes, que continuaram a usar seus sobrenomes e as armas que o rei D. havia concedido ao seu protetor Sancho Vidal.


Finalmente, há também cronistas que dão uma versão diferente das já registradas sobre o fato que levou o rei D. Sancho a adotar o sobrenome Abarca.


Entre eles está o Arcebispo Rodrigo, que diz que depois de os mouros terem cercado Pamplona, ​​confiante de que devido ao rigor do inverno e à forte neve não poderia ser resgatada pelo seu Rei, apareceu Sancho com o seu família e os derrotados, e então ele recebeu o apelido de Abarca, porque era o calçado que ele e seus cavaleiros usavam.


Mas a opinião mais provável e geralmente aceite é a referida por nós, e confirmada por Zurita, na passagem dos seus "Anais da Coroa de Aragão", já citada.


Mesmo admitindo que existisse uma linhagem abarca em Aragão anterior ao rei D. Sancho, resultaria sempre que Sancho era o tronco principal e primeiro antepassado desse apelido, como se depreende de uma trova de Mosen Jaime Febrer. Além disso, a semelhança dos brasões leva-nos a crer que o Sancho foi o único e primitivo tronco das Abarcas de Aragão, que ao longo dos séculos produziram numerosos ramos, que se espalharam por várias partes de Espanha e da América.


Sancho Abarca, também chamado de Sancho el Cesón, em alusão à sua saída do ventre, começou a reinar por volta do ano 905.


Foi casado com Doña Toda, de quem teve um filho chamado García Sánchez, que comandou o governo de Pamplona durante a vida de seu pai, e teve quatro filhas, que foram:


1ºXimena (segundo outros seu nome era Urraca), que se casou com Don Alonso I de León.


2º Maria, esposa do rei D. Ordoño. Aponte garante que esta María já havia sido casada com Seniofredo, Conde de Barcelona.


3º Teresa, que foi esposa do Rei de Leão D. Ramiro II, e de cujo casamento nasceu Sancho el Gordo; e


4º Velasquita (segundo outros Blanca), que se casou com Don Nuño, Conde de Vizcaya.


Dom Sancho reinou vinte anos, e morreu em 925, segundo a opinião mais provável, sendo sepultado no Mosteiro de San Juan de la Peña.


Pode-se considerar que seu filho mais velho, Don García Sánchez, reinou durante a vida de seu pai, como já dissemos, desde que Sancho Abarca lhe entregou o governo de seu reino enquanto ele se dedicava às conquistas.


Dom García Sánchez, que reinou trinta anos, casou-se com Dona Teuda Galindo, filha de Endregoto Galindo, muito importante e poderoso cavaleiro das encostas dos Pirinéus, e tiveram os seguintes filhos:


Dom Sancho Garcés, terceiro rei de Aragão; D. Ramiro, que também é chamado de Rei nas Antigas Memórias e Privilégios, porque antigamente era costume chamar seus filhos de Reis, o que causou grande confusão na História; Dona Urraca, Dona Hermenegilda e Dona Jimena.


Sandoval diz que Sancho Garcés era quem se chamava de Abarca e não seu avô; mas esta afirmação está completamente errada.


Juan Briz Martínez, no fol. 323 de sua "História de San Juan de la Peña", afirma que no arquivo daquele Real Mosteiro, entre tantos privilégios que há do terceiro Rei de Aragão, não há um só em que se chame Abarca, e ao contrário em tudo só se chama Sancho Garcés.


Sancho Abarca I de Aragão, é, pois, o Rei que é reconhecido como tronco pelos vários ramos da linhagem Abarca; mas como em nenhum dos executórios que vimos é feita uma lista dos primeiros indivíduos deste sobrenome, é necessário recorrer à História para conhecê-los.


Vamos ver quem eram alguns deles:


Rodrigo Abarca foi Senhor de Funes e Valtierra, e serviu, com outros cavaleiros, o Príncipe de Aragão Don Ramón Berenguer, na guerra contra o Rei Don García de Navarra.


Alonso Abarca, considerado em seu tempo descendente do rei D. Sancho Abarca, gozou de honras e privilégios de rica infância em Huesca e Jaca. Ajudou o rei Jaime, o Conquistador, na conquista de Valência com um terço da cavalaria paga às suas custas, e destacou-se nos cercos de Biar e Alcoy, derrubando os campos inimigos. Ele tinha como armas uma sandália de ouro em campo azul; mas estando sobre Múrcia, aproximou-se tanto do inimigo que uma flecha lhe arrancou o olho, pelo que pôs campo de gules no seu brasão, em vez de campo de azur.


Um ilustre membro da linhagem Abarca foi também Sancho Abarca, Senhor de Gavín, que se casou com Beatriz de Mur, de uma família nobre da Catalunha.


Deste casamento nasceram os seguintes filhos: Ana Abarca y Mur, que casou com o Senhor de Navas, da sua linhagem; Martín Abarca y Mur, senhor de Gavín, falecido jovem, e Isabel de Abarca y Mur, casada com senhor de Caso, da linhagem Luna de Bielsa.


Outro descendente ilustre da família Abarca foi Guerão Abarca, um homem rico de Aragão, que ajudou D. Jaime II na empreitada do reino da Sardenha. Seu filho era Alonso Abarca, fundador da filial Abarca de Bolea.


Vários cavaleiros da linhagem Abarca estiveram também na batalha de Las Navas de Tolosa, na qual obtiveram grandes louros.


Lorenzo Abarca Sáinz, senhor de Gavín, natural de Jaca (Huesca), originário de Sancho Garcés, rei de Navarra, em 1624, apresentou documentação para ingressar na Ordem de Santiago, embora tenha morrido sem que as provas fossem fornecidas. Era filho de Francisco Abarca, batizado em Zaragoza em 28 de março de 1572, Senhor de Gavín e Navasa, e Leonor Sáinz de Baraiz, natural de Alfaro (La Rioja); neto paterno de Matías Abarca, Senhor de Navasa e Sasal, batizado em Navasa (Huesca) em 30 de maio de 1538, e de Ana Abarca, Senhora de Gavín, natural de Gavín, e neto materno de Valerio Sáinz e Leonor Pérez de Baraiz < /p>

Na mesma Ordem de Santiago entraram: Fernando e Francisco Abarca y Castroverde, irmãos, naturais de Madrid, em 1670; Isidro e Joaquín de Abarca y Gutiérrez, irmãos, naturais de Santander e originários de Cueto (Cantabria), em 1775 e 1776, respectivamente; Diego e Fernando Abarca Maldonado e Pérez de Morales, primos, naturais de Toledo, em 1642; Francisco Antonio Abarca y Valdés, batizado na paróquia de San Cucado, no município de Llanera (Astúrias), em 8 de maio de 1686 (filho de Gabriel Abarca y Valdés, batizado em Llanera em 8 de maio de 1665, e Juana LopezPalacios de Rivera, batizado na paróquia de San Nicolás de Cuero, no Concílio de Candamo, em 28 de setembro de 1668; neto paterno de Juan Manuel Abarca y Valdés e Clara de Nora y Abarrio, ambos naturais de San Cucado, e neto materno de Santiago López e Francisca de Rivera, naturais de San Cucado), em 1741, e Juan Jerónimo de Abarca y Villalón, batizado em Jaca (Huesca) em 1º de outubro de 1644, Conde de la Rosa, Mestre de Campo, General e Governador de Barcelona (filho de Juan Abarca e Iñiguez, batizado em Jaca em 4 de abril de 1619, e Prudencia Villalón e Ximénez de Aragues, batizados em Tarazona em 2 de maio de 1617, neto paterno de Felipe Abarca, batizado em Jaca em 8 de dezembro de 1579, e de Fausta Iñiguez, batizado em Sangüesa, em Navarra, em 6 de fevereiro de 1593, onde se casaram em 24 de janeiro de 1611; neto materno de Pedro Villalón, natural de Tarazona, e Francisca Ximénez de Aragues, natural de Jaca, e bisneto paterno de Sancho Abarca e Juana Marcilla de Caparroso), em 1702.


Pertenceram à Ordem de Carlos III: Silvestre Abarca e Aznar Ximénez e Istúriz, baptizados em Lumbier (Navarra) a 2 de Janeiro de 1708, Marechal de Campo (filho de Francisco Abarca, baptizado em Lumbier a 16 de Agosto de 1679, e de Josefa Aznar, batizado em Lumbier em 22 de agosto de 1682; neto paterno de Miguel Abarca, batizado em Lumbier em 6 de agosto de 1651, e de Teresa Jiménez, batizado em Corella em 20 de julho de 1659; bisneto paterno de Pedro Abarca , batizado em Olleta, em Navarra, em 28 de outubro de 1608, e Magdalena Añorbe, natural de Siliza, e terceiro neto paterno de Juan Abarca e Cristina de Ezpeleta), em 1774, e Francisco Abarca y Gutiérrez de Cossío Calderón y Gómez de la Madrid, natural de Santander, Ministro Honorário do Conselho Supremo da Inquisição e Decano aposentado do Tribunal do Santo Ofício, em 1816.


Miguel Abarca, natural de Mediana (Zaragoza), ganhou o processo de Infância no Real Tribunal de Aragão, em 1742. Diego Abarca, foi no ano de 1479, Cavaleiro da Ordem de Alcántara e Comendador de Peralada.< /p >

Provaram a sua nobreza na Sala de Hijosdalgo da Real Chancelaria de Valladolid, nos anos que se expressam: Antonio de Abarca Martín López de Peramato y Sánchez, natural de Cipérez, originário de Yecla de Yeltes e residente de Cabrillas (todos em Salamanca), em 3 de dezembro de 1787; Diego, Lorenzo e Sancho Abarca, residentes em Boada (Salamanca), em 1556; Alonso e Francisco Abarca Maldonado, moradores de Boada e Aldea del Palo, em 1556; Hernando Abarca, residente em Chinchón (Madrid), em 1556; Joaquín e Isidro Abarca Gutiérrez Calderón de la Barca y Gómez, naturais de Santander, originários de Cueto (Cantábria), e residentes na cidade dos Reis do Peru, em 31 de outubro de 1776; Rodrigo Abarca, morador de Deza (Soria), em 1566; Agustín Abarca Maldonado, morador de Miranda del Castañar (Salamanca), em 1612; Antonio Abarca de la Riva Riva y Soto, natural e natural de Renedo (Cantábria) e residente em Alcalá de Henares (Madri), em 29 de maio de 1791; Francisco Abarca de la Riva Riva y Soto, irmão do primeiro, natural e natural de Renedo, em 17 de maio de 1712, e Miguel de Abarca Gutiérrez y Sierra, natural de Saucelle e residente em Yecla de Yeltes (Salamanca), em 9 de maio. Maio de 1714.


Sua nobreza disputada na Real Chancelaria de Granada, nos anos indicados: Fernando de Abarca, morador de Castellar de la Mata ou Santiago (Ciudad Real), em 1777; Francisca Abarca, viúva de Rafael de la Torre, vizinho de La Roda e Cañavate (Cuenca), em 1802; Francisco de Abarca, natural de Sotoca (Cuenca) e morador de Castellar de Santiago ou de la Mata, em 1577; Francisco de Abarca, natural de Cervera, em 1580; Francisco Abarca, natural de Villar de Domingo García (Cuenca), em 1620; Ginés Abarca e filhos, naturais de Castellar de la Mata ou Santiago, residentes em Jumilla (Murcia), em 1629; Gonzalo e Alonso Abarca, irmãos, naturais de Bólliga (Cuenca), em 1648; Juan, Hernando e Martín Abarca, moradores de Torralba, em 1557; Joaquín, Juan Antonio e Pantaleon Abarca, naturais de Collados (Cuenca), em 1818; José Bartolomé de Abarca, residente em Lezuza (Albacete), em 1769; Juan Abarca, natural de Castellar de Santiago ou de la Mata, em 1579; Juan Abarca e consortes, natural de Villar del Ladrón, em 1795; Lorenzo de Abarca, natural de Castellar de Santiago ou de la Mata, em 1705; Juan, Pedro e Santiago de Abarca, naturais de Castellar de la Mata, em 1705, e Francisco Abarca, morador de Nubeda, em 1730.


Entraram na Ordem de São João de Jerusalém: Bernardo Abarca, natural de Jaca, em 1569; Rodrigo Abarca, natural de Jaca, em 1581; Bernardino e Cristóbal Abarca, naturais de Jaca, em 1594; Pedro Abarca Maldonado, em 1625.


Exercer os cargos do Santo Ofício daA Inquisição provou sua nobreza: Diego Abarca Maldonado, em Valladolid, em 1556; Diego Antonio Abarca Maldonado, natural de Boada e residente em Ciudad Rodrigo (Salamanca), em Toledo, em 1622, e Elvira Abarca y Vergara, nas Ilhas Canárias, em 1664, casou-se com Francisco Calderón del Hoyo, Familiar do Santo Ofício .


Juan Abarca Vizcarra Viu y Aineto, natural de Biescas (Huesca), pediu sangue limpo para ingressar no Colégio Imperial e Secundário de Santiago e Real de San Vicente Mártir da Universidade de Huesca, em 1593. Era filho de Juan Abarca e Maria de Vizcarra; neto paterno de Juan Abarca e Catalina de Viu, e neto materno de Martín de Vizcarra e María de Aineto.


Juan de Abarca y de Velasco, natural de Aragão, frequentou as Cortes do Principado da Catalunha em 1701.


Diego Antonio Abarca Maldonado, natural de Ciudad Rodrigo (Salamanca), provou sua nobreza ao ingressar na Ordem de Santiago como religioso em 1648.


Francisco de Abarca de la Riva, morador de Renedo de Piélagos e Alcalá de Henares, obteve certidão de nobreza perante Francisco González de Villegas, em Valladolid, em 9 de janeiro de 1716.

  1. México México
  2. Chile Chile
  3. Costa Rica Costa Rica
  4. Peru Peru
  5. Filipinas Filipinas
  6. El Salvador El Salvador
  7. Estados Unidos da América Estados Unidos da América
  8. Equador Equador
  9. Espanha Espanha
  10. Nicarágua Nicarágua
  11. Venezuela Venezuela
  12. Argentina Argentina

O sobrenome Abarca. Genealogia, origem, história, significado e importância

A história do sobrenome abarca é, como a maioria dos sobrenomes, uma jornada complexa e fascinante aos tempos antigos com o objetivo de desvendar a origem de abarca. Podemos tentar rastrear a genealogia do sobrenome abarca, e além dos locais originais de abarca, podemos descobrir onde atualmente se encontram pessoas com o sobrenome abarca. Levando em conta o que sabemos sobre como os sobrenomes foram originados, é possível oferecer uma explicação realista das origens de abarca.

O sobrenome Abarca no mundo

É comum que sobrenomes como abarca se tornem conhecidos em lugares muito distantes do seu país ou região de origem. Descubra quais são. A mobilidade de pessoas que carregam o sobrenome abarca fez com que este esteja presente em diferentes países, como você pode verificar.

História de Abarca

A jornada histórica do sobrenome abarca pode ser rastreada até aqueles que foram os primeiros portadores de abarca. A história, a heráldica, os brasões e possível nobreza do sobrenome abarca estão espalhados em documentos em várias regiões e períodos históricos, sendo necessário reconstruir um complexo quebra-cabeça para se aproximar dos fatos de uma perspectiva realista. Nas linhas seguintes, você encontrará tudo o que conseguimos reunir sobre o sobrenome abarca.

Você pode nos visitar regularmente para obter mais informações sobre a origem do sobrenome abarca, já que frequentemente aceitamos contribuições significativas de outras pessoas interessadas em heráldica e na história dos sobrenomes. Por favor, tenha em mente que se você estiver em posição de fornecer mais dados sobre o sobrenome abarca ou qualquer outro sobrenome e sua origem, agradeceremos sua colaboração conosco, enviando-nos informações sobre a origem de abarca.

Figuras ilustres com o nome Abarca

Infelizmente, é bastante provável que nem todas as pessoas com o sobrenome abarca que realizaram feitos notáveis tenham sido incluídas nas crônicas e registros históricos. Um sobrenome como abarca pode conectar uma pessoa a uma linhagem ilustre e a um brasão distinto. No entanto, deve-se ter em mente que são as pessoas individuais que, através de suas vidas e ações, trazem fama e reconhecimento aos seus sobrenomes. Se você ou alguém que você conhece tem o sobrenome abarca, vocês podem potencialmente construir linhagens ilustres através de seus esforços e virtudes.

O sobrenome Abarca e suas fontes bibliográficas

É desnecessário dizer que a consulta de fontes bibliográficas e documentais é indispensável para acessar informações sobre as origens do sobrenome abarca. Consideramos muito recomendável recorrer às seguintes fontes se deseja realizar uma pesquisa sobre o sobrenome abarca, assim como sobre muitos outros sobrenomes. Acessar os arquivos da localidade ou localidades onde seus antepassados nasceram e viveram é, sem dúvida, uma boa maneira de rastrear as origens de abarca.

FONTES

Estas fontes são indispensáveis para iniciar o conhecimento sobre abarca, e ao mesmo tempo, sobre sobrenomes em geral.

  1. Abarcas
  2. Abarza
  3. Avarca
  4. Abarka
  5. Abarcan
  6. Abarchi
  7. Abarkan
  8. Abrica
  9. Abarzua
  10. Aparco
  11. Abarqi
  12. Abarkach
  13. Abarkane
  14. Abarzuza
  15. Aberg
  16. Aberkan
  17. Abers
  18. Abras
  19. Abris
  20. Abruza
  21. Aburuza
  22. Africa
  23. Aparici
  24. Aversa
  25. Abrach
  26. Aparicia
  27. Abaragh
  28. Aparcana
  29. Aparasca
  30. Aparis
  31. Aberchan
  32. Abarzúa
  33. Aparico
  34. Abric
  35. Abiriga
  36. Abbarchi
  37. Abergo
  38. Afargi
  39. Apark
  40. Aaberg
  41. Abargues
  42. Abarguez
  43. Abarques
  44. Abarquez
  45. Abercorn
  46. Aberegg
  47. Abergel
  48. Aberkane
  49. Aberson
  50. Aborruza